Pular para o conteúdo
Voltar

Defensoria Pública de Mato Grosso firma contrato com a empresa Gartner, referência mundial em consultoria e inovação tecnológica

Contrato entre a DPMT e a Gartner do Brasil Serviços de Pesquisas Ltda. foi assinado ontem (dia 11), à tarde, pela defensora-geral, Luziane Castro, e pelo primeiro subdefensor-geral, Rogério Borges Freitas; parceria tem como objetivo oferecer ferramentas e soluções tecnológicas de ponta para a prestação de um serviço cada vez melhor e mais eficiente ao cidadão
Alexandre Guimarães | Assessoria de Imprensa/DPMT

Arquivo/DPMT
A | A

Nesta quarta-feira (11), às 13h30, a Defensoria Pública de Mato Grosso firmou contrato com a Gartner, uma maiores empresas do mundo de pesquisa, consultoria e inovação tecnológica, com sede nos Estados Unidos, presente em mais de 100 países e com mais de 40 anos no mercado de tecnologia.

“Isso é um investimento que vai nos possibilitar dar um salto maior, como uma Instituição de ponta. Nosso objetivo é oferecer um serviço de qualidade. Quero que a Defensoria Pública seja a referência em direitos humanos em Mato Grosso. O desafio é grande e temos uma excelente expectativa nessa parceria”, afirmou a defensora pública-geral, Luziane Castro.

O contrato celebrado entre a DPMT e a Gartner do Brasil Serviços de Pesquisas Ltda., publicado hoje (12) no Diário Oficial do Estado, tem por objetivo a contratação especializada em aconselhamento nas áreas de Tecnologia da Informação (TI), Inteligência e Segurança Institucional e Administração Superior.

“É um instrumento contratual que a Defensoria está utilizando para ter acesso a conhecimento, principalmente no que diz respeito ao avanço tecnológico e à modernização da infraestrutura tecnológica. Nós precisamos dar um salto, fazer com que o serviço público, o acesso à assistência jurídica integral e gratuita ao usuário, seja feito de uma forma muito eficaz”, destacou o primeiro subdefensor público-geral, Rogério Borges Freitas.

A vigência do contrato é de 24 meses, podendo ser prorrogado, no valor de R$ 1.998.720,00. Além da Defensoria Pública, outros órgãos públicos também são atendidos pela empresa, como Secretaria de Estado da Fazenda (Sefaz), Empresa Mato grossense de Tecnologia da Informação (MTI), Procuradoria Geral do Estado (PGE), e Tribunal de Justiça (TJMT). Com a Defensoria, agora são sete órgãos públicos clientes do Gartner em Mato Grosso.

“Estamos hoje (dia 11) fechando um contrato para disponibilização de conhecimento, através da imensa base de conhecimento e boas práticas que temos, com parâmetros mundiais. O principal ponto é o serviço de aconselhamento, que auxilia o gestor um passo antes da execução, na hora de olhar, ganhar tempo com boas práticas que são referência para uma ação, de inovar”, detalhou Rogério Duarte, diretor de negócios da empresa no estado.

Segundo Duarte, o objetivo maior da parceria é trazer, através da tecnologia, ferramentas que auxiliem o defensor e a gestão da Defensoria Pública a se conectar com o assistido, derrubando as barreiras físicas e tecnológicas de um estado com dimensões continentais.

“Hoje, as ferramentas virtuais e o uso, por exemplo, de inteligência artificial (IA), de recursos disponíveis no mercado hoje para canais de atendimento mais eficientes, fazem como que a presença humana seja reduzida e a automação, a tecnologia, assuma esse papel, e dê uma resposta mais rápida ao cidadão”, pontuou.

De acordo com o diretor da empresa, a parceria resulta em resultados tangíveis, como economia na renegociação ou contratação de soluções tecnológicas, e intangíveis, incluindo informações e conhecimento, auxiliando o gestor a tomar decisões mais eficientes no menor espaço de tempo possível.

Segundo Freitas, o uso da inteligência artificial (IA) e da tecnologia autossustentável são um caminho sem volta, que futuramente vai permitir que o cidadão seja atendido pela Defensoria Pública num ambiente totalmente virtual, sem precisar sair de casa.

“Isso é para um futuro distante, mas não tão distante assim. A Justiça Federal, por exemplo, já faz audiências no metaverso. A Defensoria espera com a parceria com o Gartner elevar o nível tecnológico, colocar em prática o que tem de melhor no mundo da tecnologia hoje, fazer com que o nosso assistido ganhe na qualidade e na eficiência da assistência jurídica gratuita, com o Estado tecnológico, aplicando os conceitos de E-governabilidade, E-governança e E-democracia”, concluiu o primeiro defensor-geral.